Roteiro completo na África do Sul

Conhecer a África do Sul esta na nossa lista de desejos com toda certeza, mas ainda não aconteceu! Quando soube que nossa amiga Sylvia, do blog Roteiro Pra Viajar, fez esta viagem com sua família, não pensei duas vezes antes convidar ela para compartilhar com a gente sua experiência. O blog de viagem da Sylvia é INCRÍVEL, ela é do tipo de pessoa que cria um livro (sim, você leu corretamente: um livro) com o planejamento de sua viagem, imagina quantas dicas de ouro essa mulher não tem? Então bora conhecer um pouco mais sobre a África do Sul com as dicas da mulher que sabe fazer Roteiro(s) Pra Viajar?

Roteiro

  1. Cidade do Cabo
  2. Garden Route (Mossel Bay, Knysna)
  3. Port Elizabeth
  4. Durban
  5. Mpalanga – Kruger
  6. Joanesburgo

Porque decidimos ir para a África do Sul

Sonho antigo, sempre quis fazer safári e conhecer as belezas naturais, além de adorar conhecer vinícolas. A África do Sul tem belas praias, estradas maravilhosas, atrações turísticas pra todos os gostos e idades, uma cultura rica, artesanato local bastante interessante, preços convidativos, e um papel histórico enorme na humanidade por causa do apartheid e de sua figura pública mais conhecida: Nelson Mandela.

Onde não ir

Isso é muito pessoal, depende do gosto. Como fui com criança pequena, particularmente não quis mostrar tanto a realidade triste do que foi o apartheid, então não nos aprofundamos neste tema. Não fui, por exemplo, na Robben Island, a prisão que Mandela passou mais de 20 anos. E não quis, pelo mesmo motivo, conhecer o Soweto em Joanesburgo, a comunidade enorme com mais de 1 milhão de habitantes. Joanesburgo é um bom exemplo de lugar pra não circular sozinho depois das 18h por uma questão de segurança.

Lugares imperdíveis

Milhares de opções maravilhosas, mas vou citar 5:

  • Subir a Table Mountain de bondinho em Cape Town;
  • Safari no Kruger;
  • Tsistikamma e suas pontes suspensas na Garden Route;
  • Moses Mabhida Stadium, em Durban;
  • Ver os pinguins em Boulders Beach.

Dicas

  • A maior atração em Cape Town, a Table Mountain, fecha várias vezes por dia se o tempo estiver ruim ou com vento, logo minha dica é, se abrir o tempo, mude a sua programação e vá correndo pra lá. É imperdível, mas muito instável.
  • Outra dica, se possível, ao ir pro Kruger, se hospede dentro do parque, pois muitos games (safáris) são feitos ao amanhecer ou à noite. Fora que o visual das savanas já é motivo suficiente.
  • Não recomendo também comprar a moeda local (Rand) no Brasil, é muito desvalorizado. Leve dólare, ao pousar em Joanesburgo, vá as diversas casas de câmbio e cote antes de trocar. A diferença de taxas de uma pra outra, pode ser enorme. Vimos uma cobrando 20% a mais que a sua vizinha.
  • Beba vinho! São baratos e deliciosos, além de você ainda promover as vinícolas locais.
  • Tudo fecha cedo na África do Sul, não se espante se um shopping ou supermercado fechar às 18h.

Como é o transporte por lá

Eu tenho pouco a dizer a respeito de transporte pois usei carro alugado numa grande parte da viagem, mas tenho uma informação importante: lá a mão é inglesa, ou seja, o contrário daqui. Logo, é um pouco difícil se acostumar, mas dá. Só não alugue carro manual porque aí dificulta e muito passar a marcha com a mão esquerda. Usei também muito Uber e é bem tranquilo e confiável. Mas cuide logo do seu transfer ao ir para localidades mais afastadas como o Kruger, o Uber é quase impossível de pegar.

Dicas de hospedagem

Fiquei em 6 hotéis diferentes e alguns vale muito a pena citar:

  • Sabie River Bush Lodge, em Mpalanga, a 19 km do Kruger, você fica a uma distância do rio Sabie River, que relaxando nas espreguiçadeiras ao lado da piscina, você tem o privilégio de assistir uma manada de elefantes se refrescando, ou girafas bebendo água. E tem meia pensão e acomodações bem legais como o chalé que ficamos de frente para o mesmo rio.
  • Canal Quays Apartments, em Cape Town. Muito bonito e confortável, o apartamento é bem equipado e fica há 3 minutos do Waterfront, uma área bem badalada com restaurantes e atrações.

Restaurantes recomendados

Comemos muito bem na África do Sul. Além de carnes em abundância, e cortes até bem exóticos como Kudu (um tipo de antílope), avestruz, crocodilo, tem muito frango e frutos do mar maravilhosos. Tivemos experiências gastronômicas fantásticas:

  • San Marco em Cape Town – dentro do Waterfront – italiano fabuloso;
  • Delaire Graff Estate Restaurant –dentro da vinícola de mesmo nome, um espetáculo refinado de gastronomia;
  • Café Gannet, em Mossel Bay na Garden Route – uma das melhores refeições da minha vida;
  • Cliff Hanger – um restaurante com um visual sensacional, de frente para a ponte com o maior bungee jumpie do mundo. Comida simples, caseira e com precinho show;
  • Moyo Ushaka – rede na África do Sul, um restaurante que preserva a cultura e serve pratos típicos com um toque de alta gastronomia;
  • The Grillhouse Melrose Arch, em Joanesburgo – eleito um dos 15 melhores restaurantes de carne do mundo é SEN-SA-CIO-NAL;
  • Septimo Italian Restaurant – no incrível shopping Sandton em Jozi (como Joanesburgo é carinhosamente conhecido). De frente para uma estátua gigante de Mandela, a comida é excepcional;
  • Wimpy – cadeia de fast food com café da manhã tipicamente americano que dá sustância e tem preço legal.

O que não deixar de provar

  • Kingclip – O peixe é típico na África do Sul mas também tem na Oceania, na Argentina e no Chile e posso dizer que nunca comi nada parecido. Com uma carne bem firme é um esplendor de sabor. Existe uma versão chamada Baby Kingclip igualmente maravilhosa;
  • Braai – o típico churrasco na África do Sul consiste basicamente em grelhar as carnes num braseiro e se reunir com os amigos, vale a pena conhecer esse ritual e suas peculiaridades como o Boerewors (linguiças) e a polenta que eles chamam de Pap (meio sem gosto);
  • Caramelo salgado – eu sou apaixonada por esse doce e comi o melhor na rede de mercados que tem no país inteiro chamada Woolworths. É uma caixinha de marca própria. Inesquecível.

Preço médio de alimentação

Pra mim esse é o maior diferencial nesse país. Se come muito barato lá. Uma refeição completa com entrada e sobremesa, além de vinho sai muito mais em conta do que qualquer restaurante no mesmo nível no eixo Rio São Paulo. Por exemplo, o lugar mais caro que fomos, o Delaire Estate Graff (altíssima gastronomia, faz parte do Relais Chateaux) saiu por pessoa cerca de 50 dólares com vinho. Aqui na minha cidade, um restaurante daquele estilo, uma refeição não sairia por menos de 100 dólares por pessoa – sem vinho.

Um pouco mais sobre minha experiência

Jamais vou esquecer a incrível experiência de conhecer esse país. Nada me preparou pra riqueza de suas paisagens, o bom humor de seu povo e a organização e preparação pra receber turista. Seus vinhos e comida também me surpreenderam. Fazer um safári e ver os famosos Big Five (leão, leopardo, búfalo, elefante e rinoceronte) em seu habitat natural, nunca mais vai te deixar ir num zoológico com o mesmo espírito. Garanto, se você não conhece, vá. Aproveite os bons preços de passagens com voos diretos pra lá e se permita. Você não vai se arrepender.

www.roteiropraviajar.blogspot.com.br

Instagram @roteiropraviajar


Muito obrigada, Sylvia, por compartilhar suas dicas incríveis com a gente!

Acompanhe as super dicas Sylvia no Instagram @roteiropraviajar

Waterfront em Cape Town
Parque Tsitsikamma na Garden Route, estrada linda que leva de CapeTown a Port Elizabeth
Boulders Beach perto de CapeTown e sua colônia de 3000 pinguins africanos
Congestionamento de elefantes dentro do Kruger
as mais belas praias
jipe do safari, no Kruger National Park
Vestiário do estádio, parte do tour que fizemos em Durban
praias lindas!
Boulders Beach
Safari no Kruger National Park em Skukuza
Vista de Joanesburgo. Do topo do prédio mais alto da África
Estádio Moses Mabhida em Durban

Olá, somos Antonio e Maiza!
Aqui nós compartilhamos as melhores
dicas e roteiros de viagem para que você possaviajar mais e melhor.
 Realize você também os seus sonhos!